quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

Comida congelada perde 50% dos nutrientes

Por Regina Martins

Os alimentos congelados de forma inadequada podem eliminar 50% de determinados nutrientes, principalmente minerais e vitamina C. Apesar da praticidade oferecida, esse tipo de prato deve ser consumido com cautela. Esse é o alerta que alguns especialistas em nutrição fazem.

Segundo Carlos Grosso, professor da Faculdade de Engenharia de Alimentos e do Depan, Departamento de Planejamento Alimentar e Nutrição, da Unicamp, a maior parte dos alimentos pode ser congelada, mas deixar o produto muito tempo no freezer pode levar à perda de valores nutricionais. Ele diz que o consumidor deve prestar atenção na data de validade do produto. Além disso, os congelados perdem também valores sensoriais. Eles são diferentes principalmente no sabor, cheiro e textura se comparados com a comida “feita na hora”.

Na opinião de Lilia Zago Ferreira dos Santos, professora de Nutrição da Puc de Campinas deve-se tomar cuidado também ao consumir alimentos congelados industrializados. Em excesso, esse tipo de comida faz mal à saúde por causa dos conservantes, aromatizante, corante e sal, além dos aditivos que são colocados para realçar o sabor como o glutamato monossódico. “Em minha opinião a ingestão desses alimentos não pode acontecer diariamente. A pessoa deve fazer um esforço para preparar o alimento em sua própria casa”, diz Lilia.

Outro lado

Segundo Grosso, a facilidade do preparo desses alimentos congelados é um aspecto importante para a sociedade atual em que as pessoas nem sempre tem tempo para cozinhar. “Com as mudanças de hábitos, comportamentos e da necessidade de se trabalhar fora, existe a possibilidade do preparo para 15 dias ou um mês. Depois basta esquentar rapidamente utilizando o microondas e comer”, diz ele.

Na opinião do engenheiro de alimentos, o consumo de congelado só tende a aumentar. A batata vendida em fast-food é um exemplo clássico, uma vez que ela é vendida pré-frita para encurtar o tempo de preparo. Grosso afirma que esses alimentos suprem a necessidade diária. Para ele, as pessoas que deixam de fazer comida caseira normalmente tem um cardápio variado mesmo de congelados. O engenheiro não acredita na cautela para a ingestão desses alimentos.

Falta de tempo

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) o consumo de comida congelada cresceu 126% entre 1990 e 2003. O Sociólogo Fernando Antônio Lourenço, professor de Sociologia da Unicamp, diz que com a mulher cada vez mais no mercado de trabalho e pelas pessoas trabalharem distante de onde moram, isso influencia na má alimentação.

Para ele, as pessoas passam por uma “infelicidade”. “Muitos deixam de se alimentar para dar conta de uma demanda que o trabalho impõe”, explica ele. Luciana Aparecida Alvez Cruz, balconista, costuma comer congelados no final de semana, principalmente sábado à noite e domingo quando não quer cozinhar. Ela afirma que não sente diferença no sabor.

Já na família de Laura Fernandes Estivales, ninguém gosta da comida congelada. “Com certeza tem muita química, então comemos somente a caseira”, conta ela.

Como congelar legumes em casa

- lave o alimento
- descascar e cortar em partes menores
- colocar em água fervente (de 2 a 3 minutos, conforme o alimento)
- depois colocar imediatamente em água gelada (para acontecer o choque térmico)
- colocar em embalagem adequada (geralmente plástico)
- tire todo o ar do plástico e feche bem
- coloque no congelador
Alguns legumes podem durar de 2 a 3 meses no congelador.

Sem comentários: